• Vascomunistas

Acima das expectativas, ou apenas demonstrando quem sempre foi?

Não sou nenhum catedrático dos esquemas táticos ou da metodologia do futebol, apenas amo muito esse esporte e assisto sempre que posso um bom futebol seja brasileiro ou internacional. Cresci na década de 90, vi grandes times o São Paulo dos Menudos, o Palmeiras da era Parmalat, o meu Vasco 97/98/99/00, o Grêmio do Felipão em 95/96 e o Corinthians 98/99 do Luxemburgo. Se existia um cara que sabia dar um nó tático e dominar um jogo que deviria ser difícil e equilibrado era o Vanderlei Luxemburgo.


Nunca entendi o porque do Luxa nunca ter treinado o Vasco naquela época, talvez uma rusga com os métodos do Eurico, um protagonismo que tiraria os holofotes do velho, não sei... Só sei que nunca tive o sonho de ver o Felipão treinando o Vasco, nem o Zagallo, nem mesmo o Parreira, mas sempre tive a curiosidade de ver como seria o LUXEMBURGO no Vasco. Sempre achei que encaixava, sempre pensei que poderia dar liga. Um treinador fanfarrão, que fala a língua dos jogadores, que faz a proteção na mídia, que dá confiança pra quem ele acredita e que valoriza a base está difícil de se encontrar no futebol brasileiro, então porque o Luxa foi preterido por tanto tempo? Logo ele um dos maiores campeões do futebol brasileiro! É de se estranhar, mas quem consome a mídia esportiva do Brasil sabe bem porque o trabalho do Luxemburgo foi desmerecido, a europeização dos ditos "analistas" do futebol foi um dos pontos. Pessoas que colocam Vanderlei e seu trabalho na prateleira de baixo, chamando o Professor de antiquado e ultrapassado, gente como Mauro Cezar Pereira e Paulo Vinícius Coelho que podem até entender de tática de análise, mas não sabem o que é um vestiário ou um dia a dia de um clube de futebol. Podem ter contido muito, feito muito jornalismo, mas existem coisas no futebol que são visíveis até para um jogador de várzea, mas que se passam desapercebidas para um jornalista.


Como tratar um ser humano é uma delas, o treinador que foi jogador e que mantém viva a "boleiragem" sabe contornar problemas, unir grupos, entender limitações e dar um chapéu de burro a todos que subestimem seu trabalho. Assim como aconteceu com Renato Gaúcho, preterido por 4 entre 4 grandes clubes paulistas que nunca o convidaram para treinar seus times, Renato que já havia sido Campeão da Copa do Brasil e Vice da Libertadores, nunca foi levado a sério pela imprensa Paulista até conquistar a América com Grêmio. Já Luxemburgo, multi-campeão, foi preterido por seu alto salário, protagonismo excessivo e por ser um símbolo do "velho futebol brasileiro", sinceramente essa última têm muita culpa do vira-latismo cultural existente na imprensa. Onde existe um endeusamento de tudo que vêm de fora, principalmente o futebol Europeu, porém esquecendo de que a base desse toque de bola e dessa ofensividade do Estilo Guardiola que tanto veneram vêm do nosso futebol, jogado na Copa de 82 que a imprensa sempre faz questão de diminuir pude ridicularizar pela derrota. Alguns até fazem elogios, mas reafirmam seu vira-latismo ao pregarem em alto e bom tom que "jogou bonito, mas perdeu".


Luxemburgo faz um ótimo trabalho no Vasco, com um time limitado logo que assumiu preencheu o setor de meio campo com jogadores que ocupam espaços, mas sabem "pisar na área e sair jogando", casos de Marcos Júnior e Raul. Fez o Vasco se reorganizar defensivamente, dando segurança ao setor encontrando futebol em um zagueiro antes preterido por Valentim, é o caso de Henriquez, no ataque o até pouco tempo esquecido Ribamar voltou a marcar e a ganhar espaço. Valorizou a base com o achado magnífico de Talles Magno, maior promessa vascaína neste ano que vêm encantando com o bom futebol. Me diz qual o técnico Brasileiro que fez isso esse ano? Cuca? Abel? Felipão? Não, Luxemburgo fez!!! Com tudo isso, é lógico que Luxemburgo ganhou a torcida e reaproximou o Club dela, fazendo o torcedor vascaíno acreditar e jogar junto com o time, o Vasco possui uma das melhores médias de ocupação do Brasileirão 2019. Agora professor, como você mesmo diz: "É colocar a cabeça pra fora do buraco e olhar pra cima!"


A Zona da Sul-americana é logo ali! Acreditamos no "Pojeto"!


Por Washington Henrique, Professor de História, Vascaíno e Comunista.

188 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo